Blog da Saúde

Cuidados com a hipertensão gestacional

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 26 de outubro de 2011

A pressão arterial elevada é um infeliz fator que afeta algumas mulheres durante a gravidez. Perigosa, a hipertensão gestacional é a primeira causa de mortalidade materna no mundo, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

É comum que a doença desapareça após o parto, entretanto, é essencial contar com acompanhamento criterioso no pré-natal, durante e depois do nascimento, para garantir bem-estar tanto à mãe quanto à criança.

“A hipertensão gestacional reflete uma má adaptação do organismo à gravidez, podendo sumir no pós-parto. Portanto, é importante que a mulher passe por uma boa avaliação obstétrica e anestésica”, afirma o Dr. Fernando Bardy Bellicieri, coordenador científico da Anestesiologia do Hospital e Maternidade São Luiz.

Além de fazer um bom acompanhamento médico, é preciso ter muito critério ao escolher o hospital onde dar à luz. Lembre-se de checar se o hospital dispõe de infraestrutura para atendimentos de alta complexidade, como uma UTI bem equipada, serviço de hemodinâmica e equipe familiarizada com casos de hipertensão gestacional.

De acordo com Dr. Fernando, a gestante com pré-eclâmpsia, mesmo em algumas formas graves, pode sim realizar parto normal. Porém, isso só será possível caso esteja assegurado o bem estar materno-fetal. O doutor alerta ainda que a via de parto, normal ou cesárea, deve ser definida pelo Obstetra, que avaliará caso a caso.

Antes de realizar o procedimento anestésico, também é preciso atenção redobrada da equipe médica: “O médico deve controlar a pressão arterial, a coagulação materna e ainda checar se existe um comprometimento do sistema renal, hematológico e neurológico da mãe”, alerta Bellicieri.

Dr. Fernando explica ainda que a técnica anestésica de eleição para as gestantes, tanto no parto normal quanto para a cesárea, é a anestesia regional (raquianestesia e anestesia peridural). “Tais técnicas permitem que a mãe participe ativamente deste momento tão especial, bem como garantem maior segurança às gestantes, quando comparadas à anestesia geral. Durante a gestação ocorrem mudanças no organismo materno, que podem trazer riscos adicionais à anestesia geral, como maior dificuldade de entubação e retardo do esvaziamento gástrico, predispondo à regurgitação e aspiração pulmonar, quadro extremamente grave. Desta forma, a anestesia geral só deverá ser empregada na impossibilidade da realização da anestesia regional (recusa da paciente, alterações da coagulação, infecção de pele no local da punção)”, conclui.

Be Sociable, Share!

Deixe seu comentário

(*)campos obrigatórios.

Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados