Blog da Saúde

Cirurgias craniofaciais tratam doenças que podem prejudicar o desenvolvimento da criança

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 28 de dezembro de 2017

Maternidade São Luiz Itaim possui equipes referências nesses procedimentos neonatais e durante os primeiros anos de vida

As malformações e anomalias congênitas são doenças que podem prejudicar o desenvolvimento do recém-nascido e das crianças, se não forem diagnosticadas e tratadas o quanto antes. Felizmente a medicina se prepara constantemente para melhorar a condição dos seus pacientes, seja por meio de procedimentos altamente especializados, medicamentos ou pela tecnologia.

O diagnóstico dessas anomalias normalmente é feito pelo neonatologista por meio do exame físico logo após o nascimento. Entretanto, em alguns casos, a descoberta da doença pode ainda durante a gravidez, durante exames pré-natais.

A cirurgiã plástica especializada em cirurgia craniofacial da Maternidade São Luiz Itaim, Dra. Vera Cardim, explica que é possível evitar algumas surpresas com pré-natal de qualidade. “É muito importante que os exames sejam feitos em um centro especializado em medicina fetal que tenha uma equipe especializada e tecnologia de ponta com potencial de identificar certas doenças, que são de difícil visualização nos exames”, orienta a especialista. “Quando o diagnóstico é feito ainda durante a gravidez, a família não é pega de surpresa, consegue se preparar emocionalmente e entender os procedimentos que o bebê precisará passar após seu nascimento”, completa.

A incidência dessas doenças, dependendo de qual seja, pode variar de uma criança a cada 700 até uma a cada 10 mil. Isso não torna as doenças raras, uma vez que, no Brasil, nascem mais de 4 mil crianças por dia, segundo o IBGE.

Algumas das malformações craniofaciais são tratáveis por meio de cirurgias e a Maternidade São Luiz Itaim conta com equipes multidisciplinares durante todas as etapas do tratamento, com especialistas em cabeça e pescoço, otorrinolaringologia e cirurgia plástica, essenciais para esses tipos de problema, além de uma UTI Neonatal que é referência nacional em bom atendimento. Saiba quais são os tipos mais comuns dessas malformações:

Cranioestenose
O crânio do bebê é dividido em placas ósseas que se unem entre si por um tecido fibroso chamado “sutura”, que permite o crescimento de cada placa em resposta ao crescimento do cérebro. Quando o crescimento se completa, as suturas se soldam definitivamente.

A cranioestenose acontece quando o fechamento das suturas cranianas acontece antes do tempo, impedindo o crescimento natural do crânio do bebê. O desenvolvimento neurológico da criança pode ser prejudicado em alguns casos, de acordo com o tipo de sutura afetada, o grau de aumento da pressão intracraniana, e o tempo de espera pelo tratamento cirúrgico, que descomprime a caixa craniana.

O cérebro em condições normais cresce metade do seu total até os dois anos de vida, por isso a importância de se operar a criança o quanto antes, para não afetar seu desenvolvimento.

Sequência de Pierre Robin
Descrita pela medicina como uma tríade de anomalias na face é caracterizada pela mandíbula muito pequena, pela retração da língua e por fissura palatina, que acontece somente em alguns casos.

Pacientes com essa doença podem apresentar asfixia devido à obstrução de via aérea causada pela queda da língua para trás, o que provoca a obstrução da garganta. Necessitam ser intubados logo ao nascer, e o tratamento é o alongamento cirúrgico da mandíbula, que cria espaço para a acomodação correta da língua, permitindo a desobstrução da garganta e evitando a traqueostomia (que é um tubo implantado na traqueia para melhorar a respiração).

Às vezes é necessário fazer a pelveplastia, nome dado ao procedimento realizado para trazer a língua mais para frente na boca, a fim de que ela pare de obstruir a passagem do ar.

Fenda Palatal
É a malformação mais comum nos recém-nascidos, geralmente caracterizada por uma fenda do lábio e da arcada superior, que pode afetar apenas uma das narinas (fenda labiopalatal unilateral) ou ambas (fenda labiopalatal bilateral). Como o palato (céu da boca) não se fecha corretamente, esta malformação pode ocasionar problemas de fala, alimentação e até de sociabilização no decorrer da vida. O tratamento cirúrgico, fonoaudiológico e odontológico adequado resgata o bom desenvolvimento das crianças afetadas.

Traqueomalacea e Laringomalacea
Ambas são anomalias congênitas frequentes causadas pela falta de maturidade das estruturas que compõem a laringe ou a traqueia, que acabam bloqueando a passagem do ar por falta de tonicidade dos músculos, o que mantém a criança intubada até que o procedimento seja realizado.

Be Sociable, Share!

Deixe seu comentário

(*)campos obrigatórios.

Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados