Blog da Saúde

Unidade semi-intensiva completa uma década na Maternidade São Luiz

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 4 de agosto de 2014

567414_54411595 recem nascido 2

Há mais de dez anos, gestantes de alto risco não contavam com uma estrutura hospitalar própria para atender as suas necessidades e complicações gestacionais. Com a evolução da medicina e a criação de unidades semi-intensivas específicas para essas gestantes, o nascimento de bebês prematuros e os índices de complicações no parto e de mortalidade (mãe e bebê) diminuíram.

As unidades semi-intensivas realizam tratamento precoce da mãe e do feto durante a gestação e contam com uma equipe multidisciplinar composta por médicos especialistas em neonatologia, além de serviço de fisioterapia, psicologia hospitalar e avaliação nutricional. O Hospital e Maternidade São Luiz, unidade Itaim, foi o pioneiro da rede particular no país a criar uma unidade semi-intensiva para a gestante, há dez anos, e tornou-se referência no tratamento precoce de doenças da gestação.

Segundo estudo realizado pelo Hospital e Maternidade São Luiz, o trabalho de parto prematuro é o diagnóstico mais comum nos casos (34%) de gestação de alto risco e merece extrema atenção. Manter o bebê por mais tempo dentro do útero cria condições favoráveis para um parto sem complicações e pode diminuir e até mesmo evitar a internação em uma UTI neonatal, por exemplo. Segundo levantamento do São Luiz, 10% dos partos ocorrem antes da 37ª semana de gestação.

Hipertensão, diabetes gestacional, incompetência do istmo cervical e acretismo placentário também estão entre as patologias mais frequentes em uma gestação de alto risco.

A maternidade tardia, após os 40 anos, é outro fator que pode propiciar uma gestação de risco. No entanto, com os novos tratamentos semi-intensivos a gestação nesta faixa-etária está menos preocupante e cada vez mais comum. Segundo levantamento do IBGE, de 2003 a 2012, o número de mulheres grávidas entre 40 e 44 anos, aumentou 17% no país. Somente no São Luiz, 1998 a 2008, por exemplo, houve um aumento de 106% no número de gestantes acima de 40 anos, com uma média de 8% ao ano.

Aumento de casos de mães acima dos 40 anos na Maternidade São Luiz:

No período de dez anos (1998 a 2008) o crescimento de 106% no número de casos, com uma média de 8% ao ano. Já entre 2012 e 2013, por exemplo, houve um aumento de 18,7% nas gestações acima dos 40 anos, sendo dois casos de mulheres acima de 50 anos.

Dados ano/número de casos (mães acima de 40 anos)
1998 – 213
1999 – 246
2000 -256
2001 – 244
2002 – 296
2003 – 348
2004 – 344
2005 – 362
2006 – 459
2007 – 423
2008 – 440
2012 – 458
2013 – 525 internações – 55% estavam acima de 30 semanas de gestação.

#HospitalSaoLuiz #maternidade #semi-intensiva

Hoje é o Dia Mundial da Amamentação

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 1 de agosto de 2014

Dia 1º de agosto é celebrado o Dia Mundial da Amamentação. A supervisora da equipe de enfermagem do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, Marcia Kuriki Borges, foi entrevistada pelo jornal O Estado de S. Paulo sobre os benefícios que a prática traz para as mães e para os bebês. Ela também deu dicas de como segurar o bebê corretamente e orientou sobre a doação de leite, em caso de a mulher produzir mais leite do que a criança costuma mamar.

Para ler a reportagem completa, acesse: http://scup.it/65mh

#HospitalSaoLuiz #SãoLuizItaim #amamentacao

010814_O estímulo do leite materno_Estadao

Esporte coletivo faz bem à saúde tanto na infância quanto na idade adulta

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 31 de julho de 2014

Quando as crianças começam a praticar esportes, seja por conta própria, seja com a supervisão de um profissional, elas aprendem e desenvolvem habilidades importantes para seu desenvolvimento.

O grau de aprendizado das habilidades depende do grau de maturidade das crianças e de suas experiências, da qualidade do ensino que recebem, assim como do grau de dificuldade em realizar as tarefas.

“Quando as crianças aprendem algo novo, elas podem desenvolver habilidades cognitivas, respeitar o corpo, aumentar a autoestima, trabalhar o equilíbrio emocional (força de vontade, autocontrole, autoconfiança), reconhecer o outro e saber compartilhar, trabalhar em grupo, desenvolver autonomia e estimular a criatividade”, explica Genilda Garcia Calvoso, Coordenadora do Serviço de Psicologia Hospitalar do Hospital e Maternidade São Luiz – Unidades Morumbi e Anália Franco.

Os adultos, porém, podem aprender a trabalhar em equipe ainda que não tenham adquirido estas habilidades na infância. Dentre as aptidões que podem desenvolver, a psicóloga aponta a mudança positiva na autopercepção e no bem-estar; a melhoria na autoconfiança, a mudança positiva no humor; o alívio da tensão e de sentimentos como a depressão e a ansiedade; a influência na amenização da tensão pré-menstrual; o aumento da sensação de bem-estar mental, maior apreciação da prática de exercícios e de contatos sociais; e o desenvolvimento de estratégias positivas para enfrentar situações de estresse no dia a dia.

Genilda afirma ainda que a promoção da saúde é considerada um incentivo às relações sociais, tais como coleguismo, amizade e paixões, seja no ambiente doméstico, seja no contexto profissional. Ela ressalta que “apesar de todos os benefícios propiciados pela prática de exercícios e de esportes, poucos estudos incluem na amostra indivíduos ex-atletas para verificar se a interrupção ou afastamento do esporte podem promover manutenção ou alteração dos níveis de ansiedade, resiliência e qualidade de vida (QV)”.

Estudos mostram que atletas têm maiores níveis de QV que indivíduos não atletas, tanto em aspectos de saúde mental quanto em aspectos físicos e sociais. Esses achados indicam que o passado atlético pode contribuir para a melhora da qualidade de vida, já que também está associado à melhora de aspectos físicos e mentais.

#HospitalSaoLuiz #esportecoletivo #qualidadedevida

fut

As vacinas que as gestantes devem tomar

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 30 de julho de 2014

As vacinas são normalmente associadas às crianças. Mas os adultos também precisam ser vacinados contra uma série de doenças, principalmente caso não tenham sido imunizados na infância.

Alguns cuidados extras precisam ser tomados por gestantes. Além de seguir o calendário de vacinação recomendado para pessoas em idade adulta, as grávidas precisam verificar se tomaram a vacina Dupla Adulto (contra tétano e difteria) em, no máximo, cinco anos. Caso contrário, precisam fazer um reforço. Dra. Raquel Muarrek, infectologista do Hospital São Luiz Morumbi, explica que “o esquema de imunização das gestantes beneficia o bebê ainda no útero, já que ele recebe os anticorpos preparados da mãe”.

A especialista afirma que “se a carteira de vacinação da mulher estiver atualizada antes da gestação, não é necessário tomar outra dose ao engravidar”. Porém, mulheres grávidas que não estiverem com a Dupla Adulto em dia, precisam tomar pelo menos duas doses da vacina durante a gravidez. A última precisa ser recebida pelo menos um mês antes do parto, uma vez que ela também protege o bebê contra o tétano neonatal – também conhecido como Mal dos Sete Dias, que pode causar paralisação dos músculos e levar a uma parada respiratória, ocasionando a morte do bebê. A terceira dose pode ser tomada após o parto.

Também são recomendadas vacinas contra Influenza e contra a Hepatite B. A Dupla Adulto também pode ser substituída pela Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto, que além de prevenir o tétano e a difteria, também evita a coqueluche. A Dupla Adulto costuma ser recomendada porque é oferecida gratuitamente no Sistema Único de Saúde.

É importante ressaltar que algumas vacinas devem ser evitadas pelas gestantes, já que são compostas de micro-organismos enfraquecidos, mas que ainda estão vivos: Varicela, Febre Amarela e Tríplice Viral (que previne sarampo, rubéola e caxumba).

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizMorumbi #gestante #vacinacao

Imagem1

Como avisar ao primogênito que ele terá um irmãozinho?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 29 de julho de 2014

A situação se repete em diversos lares: você tem um filho ou filha e ele vive pedindo um irmãozinho. Mas quando você anuncia que ele já está “encomendado” e dentro da sua barriga, começam as crises de ciúmes.

A psicóloga do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, Patricia Bader, orienta que os pais devem conversar com a criança e explicar que a chegada do novo bebê em nada diminuirá o amor da mamãe e do papai por ele. Além disso, ela recomenda que os pais devem fazer com que o primogênito participe de todas as preparações para a chegada do irmão e se sinta parte disso.

Para que esse momento seja especial tanto para os pais quanto para o filho, Patricia Bader dá algumas dicas:

– Peça opinião quando estiver montando o quarto.
– Coloque as crianças para escutarem e sentirem os chutes das crianças.
– Peça para os filhos levarem um brinquedo para o novo irmão ainda na maternidade.
– É normal se ocorrer um retrocesso no desenvolvimento das crianças mais velhas, para chamar a atenção dos pais. Permita que retrocedam um pouco, mas explique os limites.
– Não tome decisões que mudem de forma drástica a rotina de seus filhos por conta do novo irmão (por exemplo, não os coloque no primeiro dia de escola no momento da internação na maternidade; não tire suas fraldas assim que o bebê nascer).
– Depois do nascimento, peça ajuda ao trocar fraldas e dar banho. Eles precisam entender na prática que o mais novo precisa de cuidados extras.

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizItaim #maternidade #primogenito #irmao

958364_10000937 - irmaos

Hoje é o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 28 de julho de 2014

Hoje é o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. A hepatite consiste em uma inflamação no fígado e pode ser causada por vírus, medicamentos, uso de bebidas alcoólicas, doenças de depósito (de gordura no órgão, por exemplo), entre outras causas.

Existem diversos tipos de hepatite, porém as formas mais comuns são as contagiosas, transmitidas por vírus, também chamadas de hepatites virais. Entre os tipos de vírus, estão: A, B, C.

A hepatite A é transmitida por água contaminada. Os sintomas mais comuns são cansaço, febre, perda de apetite, náuseas, cefaleia, etc.

Qualquer indivíduo que tenha contato direto com fluidos contaminados (sangue, sêmen, secreção vaginal) está predisposto a contrair a hepatite B. Também podem adquirir a doença recém-nascidos de mães infectadas, pessoas que fazem sexo não seguro, que têm múltiplos parceiros sexuais, usuários de drogas ilícitas injetáveis, pacientes em unidades de hemodiálises e viajantes para países onde o VHB é comum.

O vírus da Hepatite C só é reconhecidamente transmitido pelo sangue ou seus derivados. Por este motivo, a partilha de material perfuro-cortante (agulhas, seringas, lâminas de barbear, alicates, entre outros) pode transmitir a doença.

Além da história clínica e do exame médico, as hepatites A, B e C são diagnosticadas por testes sanguíneos para verificar a presença de anticorpos, que são proteínas criadas pelo sistema imune em resposta à virose.

Segundo o hepatologista do Hospital São Luiz Morumbi, Dr. Fernando Pandullo, além da vacina, outras maneiras de prevenir a doença são: ingerir somente água tratada e alimentos higienizados, evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, praticar sexo somente com proteção e não ingerir medicamentos sem orientação médica.

#HospitalSaoLuiz #hepatite #figado

0003371581K-565x849

No Dia do Endoscopista, entenda para que serve a endoscopia

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 25 de julho de 2014

A endoscopia é um exame em que uma microcâmara é introduzida na boca do paciente. Este equipamento passa pelo esôfago, estômago e chega ao início do intestino, chamado duodeno.

O gastroenterologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, Dr. Alexandre Sakano, explica que esse exame permite ver com detalhes o esôfago, o estômago e o duodeno e possibilita diagnosticar todas as doenças presentes nesses órgãos, como refluxo gastroesofágico, gastrite, úlcera, tumores benignos, câncer, além de ajudar no diagnóstico da intolerância ao glúten.

O procedimento é recomendado para pessoas que apresentem sintomas como dor de estômago, queimação, sensação de estômago cheio logo após comer, mesmo pequenas quantidades, sinais de refluxo que podem ser queimação no peito, azia, tosse crônica ou pigarro.

O especialista afirma que sempre que há sintomas, é necessário investigá-los. “Porém, os pacientes portadores de doenças crônicas devem realizar a endoscopia rotineiramente para controle. Em casos mais graves, ela é utilizada também para avaliar a progressão da doença, como a esofagite de refluxo, por exemplo”, esclarece.

Prevenção do câncer

Dr. Alexandre ressalta que o câncer de estômago não costuma apresentar sintomas na fase inicial. Em outros casos, os sinais são semelhantes aos da gastrite. “Quando diagnosticado na fase inicial, chamado de câncer precoce, as chances de cura são próximas de 100%, enquanto na fase avançada as chances caem para 25%. Portanto, a prevenção é sempre fundamental.”

Pessoas com histórico familiar de câncer (pais, irmãos, avós) devem realizar a endoscopia rotineiramente após os 40 anos de idade. O exame deve ser repetido a cada três anos, caso o resultado anterior esteja normal.

Para aqueles indivíduos que não apresentam sintomas nem possuem familiares que já tiveram câncer, o exame é recomendado a partir dos 50 anos. A repetição a cada cinco anos deve ser feita de modo preventivo.

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizItaim #endoscopia

Cólicas

Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco inaugura salas obstétricas com janelas de visor plasmático

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 25 de julho de 2014

Anália Franco - Espaço Nascer - 2

O Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco inaugura o Espaço Nascer, serviço de parto diferenciado presente em três das cinco salas obstétricas da unidade.

No Espaço Nascer as salas obstétricas são equipadas com grandes janelas com visor plasmático, permitindo que familiares e amigos acompanhem de fora da sala os primeiros instantes de vida do recém-nascido. Durante o procedimento, as janelas permanecem opacas, mas o médico pode torná-las transparentes apenas com um toque no controle do aparelho.

“O Espaço Nascer proporciona um maior acolhimento aos pais e familiares convidados pela família para assistir o parto, além de aumentar a ligação destes com o recém-nascido”, explica Carlos Jorge Lotfi, diretor da unidade Anália Franco.

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizAnaliaFranco #maternidade #espaconascer

Você sabe o que é o Pad Test?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 24 de julho de 2014

O Pad Test consiste em um teste realizado na impossibilidade de execução do estudo urodinâmico, exame computadorizado que avalia as funções de enchimento e esvaziamento da bexiga, explica a Dra. Ivani Kehdi, coordenadora do Centro de Controle de Distúrbios Urinários do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim.

Conhecido como teste do absorvente, o exame também é solicitado às pacientes que sofrem de incontinência urinária nos casos em que o estudo urodinâmico não foi suficiente para elucidar o caso.

O teste funciona da seguinte maneira: a paciente coloca um absorvente que foi pesado numa balança de precisão. Durante uma hora, realiza uma série de exercícios como andar, subir escadas, sentar e levantar várias vezes.

A uroginecologista afirma que “após este período, o absorvente é novamente pesado, o que possibilita a classificação da perda urinária em leve, moderada e grave, de acordo com o aumento de peso do absorvente ao fim dos exercícios realizados”.

O exame pode ser realizado em qualquer pessoa e tem a vantagem de ser um método não invasivo.

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizItaim #incontinenciaurinaria #padtest

Vá ao ginecologista!

Quais as causas da incontinência urinária e como preveni-la?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 23 de julho de 2014

incontinência

A incontinência urinária consiste na perda urinária involuntária em quantidade e/ou frequência suficiente para afetar de forma negativa as atividades do dia a dia de uma pessoa.

Há dois tipos principais de incontinência urinária em mulheres:

– Incontinência urinária de esforço – “É aquela na qual se perde urina ao fazer esforço, como, por exemplo, ao tossir, ao espirrar, ao pular. Em geral, é causada por uma frouxidão nos músculos do assoalho pélvico e ocorre em decorrência de partos, obesidade, constipação intestinal, profissões que exijam muito esforço ou tosse crônica”, explica a Dra. Ivani Kehdi, coordenadora do Centro de Controle de Distúrbios Urinários do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim.

– Bexiga hiperativa – A uroginecologista revela que ocorre quando a mulher sente vontade de urinar e precisa ir imediatamente ao banheiro. Muitas vezes, elas eliminam um pouco da urina antes de chegar ao sanitário.

Os fatores que causam este tipo de incontinência ainda são uma incógnita, mas a “bexiga hiperativa” é muito prevalente nas mulheres que entraram na menopausa, quando os tecidos ficam mais frágeis e sensíveis. A especialista afirma que outro fator que pode influenciar o surgimento deste problema é o consumo de comidas muito temperadas ou ácidas ou de bebidas “irritantes” – como as gasosas, as que contenham cafeína ou álcool.

De acordo com Dra. Ivani, uma das principais causas da incontinência urinária nos homens é a hipertrofia prostática, ou seja, o crescimento da próstata, que acontece com muita frequência em indivíduos na meia idade. “No início, há mais sintomas de dificuldade de esvaziamento (da bexiga) e aumento no número de idas ao banheiro. À medida que a próstata aumenta de tamanho, pode haver retenção urinária e perdas urinárias por transbordamento”.

A uroginecologista informa que algumas medidas podem ser benéficas para as mulheres prevenirem este problema: elas devem realizar exercícios pélvicos para manter a musculatura pélvica com bom desenvolvimento, fazer reposição hormonal pós-menopausa, manter o peso adequado e ter uma dieta saudável para um bom funcionamento intestinal.

Para os homens, a melhor forma de evitar a incontinência urinária é o acompanhamento médico preventivo. O urologista é o especialista adequado para diagnosticar e, se for o caso, tratar algum crescimento anormal da próstata.

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizItaim #incontinenciaurinaria

Página 30 de 106« Primeira...1020...2829303132...405060...Última »
Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados