Blog da Saúde

Diabetes infantil

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 14 de novembro de 2012

 

O diabetes é uma doença caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue, que se dá por alimentação inadequada, obesidade, sedentarismo ou pela inutilização do pâncreas, que impede a produção de insulina pelo organismo e afeta 246 milhões de pessoas no mundo.

Segundo o Dr. Luis Eduardo Caliari, endocrinologista infantil do Hospital e Maternidade São Luiz, “os pais precisam ficar atentos aos sintomas de diabetes na infância, pois se o diabetes não for identificado em até três semanas fica muito mais difícil controlar a doença”.

A Federação Internacional de Diabetes (IDF) estima que há crescimento de 3% ao ano no número de crianças em idade pré-escolar com diabetes tipo 1, o mais comum na infância, que tem como consequência a perda total ou quase total de insulina.

“A criança tende a desidratar, beber muita água, perder peso rapidamente e urinar muito. Com esses sintomas, é de extrema importância levar a criança ao pronto socorro. Infelizmente o tratamento costuma ser iniciado tardiamente, já que os pais não pensam na possibilidade de diabetes”, alerta o especialista.

Já o diabetes tipo 2, antes relatado como uma doença de adulto, pode ser evitado, pois está relacionado à obesidade. “O pâncreas não consegue controlar os níveis de açúcar no organismo. A criança começa a ganhar peso e há aumento de glicemia. Sem o devido tratamento, esse quadro pode acarretar doenças renais e até mesmo perda total da visão”, explica o endocrinologista.

O ideal é evitar o consumo de gorduras, doces e refrigerantes, mas não cortá-los da alimentação da criança, mostrando que ela pode comer de tudo, mas sempre com moderação.

Equilíbrio para uma vida mais doce

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 26 de junho de 2012

 

Hoje é o Dia Nacional do Diabetes, uma tentativa de alertar as pessoas que o diabetes é uma doença crônica que atinge mais de 10 milhões de brasileiros, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Os sintomas físicos mais comuns dessa patologia são a fome excessiva associada à perda de peso, muita sede, vontade de urinar, dores nas pernas e má circulação.

Em sua forma mais grave ocorre perda de visão, problemas nos rins, alterações motoras, dores e formigamentos de membros inferiores, impotência sexual, infarto do miocárdio, infecções, sangramentos e amputações de membros inferiores. Esses são alguns dos problemas que a patologia pode provocar, quando não tratada.

O endocrinologista do Hospital e Maternidade São Luiz, Dr. Alex Leite, garante que para conviver com o diabetes, a orientação e a prevenção são as mais importantes dentre as medidas terapêuticas. “Se o paciente entende o mecanismo da doença, o tratamento se torna mais completo e isso modifica muito os resultados de controle das complicações”.

Conheça os tipos da doença:

Tipo 1: surge no início da vida ou na fase adulta, apesar de haver casos descobertos em pessoas de idade avançada. Sua característica principal é a incapacidade total do pâncreas de produzir insulina, levando o paciente a precisar tomá-la diariamente de forma injetável.

Tipo 2: é o mais comum e geralmente se manifesta em idades mais avançadas. Na maioria das vezes, o pâncreas ainda produz a insulina, mas não o suficiente para garantir as funções regulares. Assim o paciente tem de usar medicamentos, que desempenharão as funções que o órgão já não realiza sozinho.

Tratamento e alimentação

A partir do diagnóstico da doença, a pessoa deve controlar a glicemia, já que hiperglicemia, ou seja, altas taxas de açúcar no sangue, pode causar sérios danos à saúde do diabético. “Uma alimentação equilibrada é a base para a saúde do indivíduo”, explica o endocrinologista.

Segundo constata o especialista, as confusões mais comuns entre os diabéticos estão relacionadas à alimentação. Muitos alimentos se consumidos à vontade tornam-se um risco, e o principal exemplo disso são as frutas. “Um paciente diabético não pode tomar uma laranjada, mas pode consumir uma laranja. A fruta aumenta a glicose no sangue, por isso, o ideal é consumir de 3 a 4 tipos de frutas ao dia, em horários diferentes”, afirma Dr. Alex Leite.

Para se prevenir

As pessoas que não sofrem do problema, o médico alerta: “Para não desenvolver o diabetes, é necessária uma alimentação saudável, sem exageros de carboidratos e de gordura saturada. A atividade física também se mostra um grande aliado da prevenção”, avalia Leite. O ideal é acumular 30 minutos diários de atividade física aeróbica leve, como caminhada. “Mais importante é manter um bom controle da glicemia, seguindo corretamente as orientações médicas”, completa o especialista.

A mudança do estilo de vida é primordial para prevenir e regular a doença. Cuidados com a alimentação, prática de exercícios físicos e disciplina devem se tornar hábitos, sobretudo, para quem tem tendência, mesmo que genética, a ter doença.

Restrições alimentares: como manter a linha durante a Páscoa

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 28 de março de 2012

A época dos ovos de chocolate vai chegando e quem possui diabetes, doença celíaca (intolerância à glúten) ou intolerância à lactose precisa se esforçar para não cair em tentação, caso deseje ficar longe de um centro médico.

Uma saída para esse grupo são os produtos criados especificamente para quem possui algum tipo de restrição alimentar. Porém é necessário estar atento às informações que aparecem no rótulo desses itens, pois, dependendo do seu caso, o consumo pode não ser o mais indicado.

Segundo o endocrinologista Alex Leite, do Hospital e Maternidade São Luiz, os diabéticos podem recorrer às opções diet, mas sempre sem descuidar da quantidade. “É normal ingerirmos mais chocolate nessa época, mas os diabéticos devem evitar. O ideal é quanto menos, melhor. O chocolate diet não tem açúcar, mas tem gordura saturada que também é ruim para os diabéticos”, observa.

Caso você caia em tentação e acaba experimentando um chocolate “normal”, fique atento aos efeitos colaterais. “O chocolate com açúcar faz compensar a glicemia do paciente. Muitas vezes esse açúcar pode não subir no exato momento, porque a gordura do chocolate acaba atrapalhando a rapidez com que será absorvido. Dependendo do caso, o diabético pode necessitar internação para maiores cuidados”, explica Alex.

A lista de produtos proibidos para consumo é maior para os celíacos: além do chocolate, é preciso evitar qualquer coisa que possua glúten, como farinha de trigo, aveia, centeio e a tradicional colomba pascal, feita especialmente para essa fase do ano. Como opção, pode-se consumir a alfarroba, uma vagem que, triturada substitui o cacau, além de ser livre de lactose e tem baixo teor de gordura.

Para quem possui intolerância à lactose, uma alternativa são os chocolates que não possuem leite em sua composição. “Uma boa opção é o chocolate a base de leite de soja. Os chocolates amargos, que costumam conter 70% de cacau, também são uma boa saída”, pontua Alex.

Atenção: tantos os celíacos como os intolerantes que caírem em tentação podem passar o feriado com dores abdominais, diarreia e vômito.

E fica a dica: o segredo é a moderação . “Se a pessoa gosta muito de chocolate o melhor é que procure os que são adaptados, sem glúten ou sem lactose. É a prova de que não é porque a pessoa tem uma restrição que ela não pode ter hábitos comuns como, por exemplo, consumir chocolate na Páscoa. Ela pode sim, só deve procurar o que é indicado à sua restrição”, explica o endocrinologista.

Fonte: Portal Terra

Diabetes na sala de aula

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 22 de julho de 2011

O diabetes é uma doença que exige atenção e, na maioria das vezes, uma rotina diária voltada para seu tratamento. Esse cuidado aumenta quando o paciente em questão é uma criança, que precisa se adaptar desde cedo a esse novo estilo de vida e por vezes encontra na escola o seu primeiro grande desafio.

Segundo o Dr. Luís Calliari, responsável pelo Serviço de Endocrinologia Pediátrica do Hospital São Luiz, muitas vezes o maior problema enfrentado pelos pequenos é a falta de informação do corpo escolar a respeito do que é diabetes e seus sintomas: “Além disto, há a dificuldade de obtenção de alimentação adequada e da realização de procedimentos necessários à rotina do aluno com diabetes, como aplicação de insulina e medida de glicemia capilar”, diz o médico, em entrevista para o Portal Diabetes.

Relação com os colegas: segundo Calliari, a maioria das crianças se sente confortável em dividir com o resto da classe a sua rotina médica. Mas deve-se respeitar o seu desejo caso ela prefira adotar uma postura mais reservada sobre o assunto. Na maioria dos casos os pais não precisam temer alguma reação hostil: a diabetes é aceita pela maioria dos alunos e dificilmente o paciente sofre algum tipo de preconceito.

Informação: é importante fornecer aos responsáveis da escola todas as orientações básicas a respeito da diabetes, como aplicações, monitorização e alimentação: “a hipoglicemia deve ser detalhadamente orientada – quais os sintomas, como confirmar, como tratar”, completa.

Exercícios: Calliari orienta que a prática de atividade física dever evitada quando a glicemia estiver muito alta (superior a 250 mg/dl) ou muito baixa (inferior a 60 mg/dl). O médico também recomenda que a criança coma algum carboidrato antes da prática esportiva e que sejam evitadas atividades muito prolongadas

Alimentação: “Não é preciso que o aluno com diabetes leve o lanche preparado em sua própria casa, desde que a escola forneça um lanche balanceado, saudável e com opções sem carboidratos de absorção rápida, ou que a cantina tenha estes alimentos no seu cardápio,” explica o endocrinologista.

Também é importante que a criança leve diariamente à escola um “kit diabetes”  contendo aplicadores de insulina e alimentos de fácil absorção para o caso de uma crise de hipoglicemia.

Para ler a matéria completa, clique aqui.

Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados