Blog da Saúde

Passeio com o bebê

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 17 de agosto de 2012

 

Sempre gostei muito de sair, mesmo que fosse para ir só até a padaria ou dar uma volta no quarteirão. Também sempre fui muito independente e nunca esperei ninguém para ir comigo, principalmente quando ia fazer compras. Dirigi até o final da gravidez (com consentimento médico) e tinha o costume de sair com um roteiro completo traçado na mente de todos os lugares que deveria ir antes de voltar para casa. Ficava fora o dia inteiro.

Agora, cada vez que saio, tenho que ter um grande planejamento e preparo antes de sair de casa, além do fato de evitar ir a muitos lugares em um dia só, para não cansar o baby. Resolvi compartilhar a rotina de cada passeio que faço com meu bebê.

Não uso mais bolsa, coloquei minha carteira e necessaire na mala do Nicholas. Para facilitar, deixo a mala dele pré-pronta, ou seja, nela já tenho lenços umedecidos, fraldas de boca, trocador, fraldas descartáveis, pomada contra assaduras, algodão, fralda para cobrir o trocador e capa de amamentação.

A dificuldade começa bem antes da hora de sair, tenho que começar a arrumar as coisas quase duas horas antes do horário programado para a saída. Começo amamentando ele, troco sua fralda e tento fazê-lo dormir ou coloco-o no carrinho para que eu consiga tomar banho e me trocar. Depois de decidir a roupa a ser usada, não visto a blusa, ou tenho sempre separada uma segunda opção porque o Nicholas sempre golfa em mim antes de sairmos de casa. Quando estou pronta, amamento-o novamente e troco sua fralda novamente.

Pronto! Depois de arrumados, começamos a montar os itens de saída tais como terminar a montagem da mala do Nicholas (deixo para colocar as roupinhas extras na hora de sair, pois depende da temperatura do dia). Coloco-o no bebê conforto para então começar a carregar o carro. Prendo o bebê conforto na base do carro e passo o cinto de segurança. Desmonto o carrinho e o colo no porta-malas e por ultimo, coloco um protetor solar no vidro traseiro para que a luminosidade não fique no rosto do baby. Tenho também um retrovisor para o vidro traseiro, mas já desisti do mesmo, pois toda vez que fechava o porta-malas ele caía.

Ah! Todas as vezes que saio de casa programo com pelo menos um dia de antecedência e penso muito bem no lugar para onde vou e tento descobrir se o mesmo tem fraldário e local para amamentação. Infelizmente nem todos os locais estão preparados para receber crianças e eu ainda não posso deixá-lo com alguém para sair mais tranquila, por causa da amamentação.

Amigos imaginários

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 9 de agosto de 2012

           Nicholas (do Diário de Mãe) e seu amigo 

Se seu filho insiste em conversas imaginárias com alguém que você não vê, fique tranquilo. Não é alucinação nem mediunidade, apenas uma criança usando a imaginação. Uma pesquisa do Instituto da Educação em Londres revelou que 65% das crianças têm amigos imaginários.

A pesquisa demonstrou ainda que esses amigos invisíveis tornam as crianças mais confiantes e articuladas. Essa brincadeira pode começar aos 3 anos e são normais até os 7 ou 8 anos de idade, no máximo. Ultrapassado Publicidade esse período, observe a maturidade do seu filho e, se for o caso, procure um especialista.

O pediatra Marcelo Reibscheid explica que o importante nessa fase é deixar os filhos em paz e só participar da brincadeira se for convidado. “A criança sabe que o amigo é fruto da sua imaginação. Então, não adianta fingir que também está vendo, ok? Essa atitude pode deixá-la confusa. Dizer que aquilo é mentira ou besteira também é uma agressão. O melhor a fazer é agir com naturalidade”.

De acordo com o médico, essa pode ser a forma que as crianças encontram de entender como é ter um amigo de verdade. Por meio da brincadeira, elas tentam aprender sobre o mundo dos adultos e se colocar no lugar do outro.

Além disso, ao criar um amigo só para ela, a criança fica no controle da situação – poder que ela não tem em outras ocasiões. É nessa brincadeira que ela abre portas para dividir seus sentimentos de raiva, tristeza e angústia. Tudo muito saudável. Curta essa fase!

Fonte:

Calmaria

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 6 de julho de 2012

 

 

Levei o Nick tomar a vacina contra a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil. Você já levou seu bebê? É muito importante para garantir a saúde dele =)

Ele ficou super bem, só reclamou porque tive de apertar suas bochechas para que ele abrisse a boca. De tarde fomos para casa dos meus sogros, onde encontramos uma parte da família da minha sogra que veio de Belo Horizonte e Campinas para visitar o Nicholas.

Meu filho se comportou como um anjo: todos ficaram encantados em como ele é calmo e bonzinho. Ele não chora para quase nada, apenas para comer, quando está sujo ou com um pouco de cólica. Ele interagiu com todos, foi no colo de todo mundo sem reclamar.

Levei o Nicholas na sua primeira festinha de aniversario em. Ele fez o maior sucesso com sua tranquilidade e beleza. Mais uma vez ele me surpreendeu por não se incomodar com o barulho e não se importa nem um pouco que as pessoas mexam com ele.

Dorme quando está com sono, pede para mamar nos horários costumeiros e interage tentando conversar e rindo bastante. Espero que o bebês de vocês seja assim como o meu!

Descobertas na gripe

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 29 de junho de 2012

Vou começar contando algo novo que vi nesses dias: sempre ouvi dizer que a chupeta estraga os dentes e deforma o céu da boca, mas na semana passada encontrei um modelo de chupeta novo, que não tem a curvatura das chupetas tradicionais, elas são como um bico de mamadeira, o que provoca um estrago menor na dentição e boca. Vou testar no Nicholas e depois conto para vocês!

 As novidades não param: sempre acontece uma coisinha nova. Essa semana ele se encantou com as luzes de casa, fica olhando fixamente para os lustres e qualquer outro ponto de foco de luminosidade.

Também descobriu as mãos: ele fica as enfiando na boca como se estivesse chupando a mão. A cada dia que passa ele está mais e mais risonho, além de interagir conosco. Fica prestando atenção quando falamos e ri quando fazemos alguns sons diferentes. Também começou a fazer alguns barulhos que não são de reclamação ou choro. Parece que ele tenta chamar atenção. Risos.

Compramos alguns DVDs infantis com clipes de música. Quando colocamos, ele fica olhando fixamente para o local de onde sai o som e às vezes começa a mexer os bracinhos com forca, como se quisesse dançar com a música.

Estou cada dia mais apaixonada pelo meu bebê e adoro ver cada pequena evolução de seu desenvolvimento =)

Levei o Nicholas na pediatra, pois ele estava tossindo e espirrando com maior frequência. Ela receitou um remédio para ser tomado via oral e outro para aplicar via nasal, além de fazer inalação apenas com soro fisiológico. Ele apresentava um quadro de início de gripe, porém os remédios deveriam ser aplicados apenas se o quadro evoluísse. Importante, não medique seu filho com sugestões de familiares e amigos. Sempre aborde o assunto com o pediatra, ele sim sabe o que é melhor e as dosagens.

Essa semana eu não me senti muito bem e um pouco febril. Fui ao Hospital São Luiz e fui diagnosticada com faringite. O medico receitou um antibiótico, um anti-inflamatório e um antitérmico. Ainda não estou 100% recuperada, mas já consigo dar conta de todas as tarefas e cuidar do Nicholas.

Levantamentos e percepções

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 11 de junho de 2012

Resolvi enumerar a quantidade de itens utilizados no primeiro mês de um bebê. Tive como base apenas o meu filho, mas acho que já posso ter uma ideia do que me espera pela frente:

 Fraldas: 07 pacotes de 38 unidades cada, o que dá 266 unidades.

 Pomada de assadura: 04 tubos de 40g cada e 01 tubo de 60g.

 Algodão: 08 pacotes com 50g cada

Também utilizei 01 caixa de 75 unidades de cotonetes e 200 ml de sabonete liquido próprio para bebês, além da vitamina, antitérmico e o antigases que o Nicholas está usando.

A minha lista é parecida com a de vocês?

O resto do dia correu bem: enquanto eu arrumava a casa, o Nick ficou me olhando tranquilamente no carrinho, um lindo!

Ao observá-lo, já começo a perceber algumas mudanças: ele já tem maior controle do pescoço e braços. Quando o coloco de bruços, ele já consegue sustentar a cabeça e toda a vez que o pego no colo ele puxa meus cabelos e esboça um leve sorriso quando vê a minha enquanto ele me bagunça toda! Além disso, ele está muito mais alerta e cada dia que passa ele fica mais tempo acordado.

Nesta fase, as cólicas estão bem leves e logo passam. Eu me sinto bastante aliviada em ver que meu filho não sofre mais com a famosa dor de barriga. Agora é só manter as indicações da pediatra até o terceiro mês de idade dele, quando o seu sistema digestivo está mais regularizado.

Combatendo as cólicas

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 27 de Maio de 2012

 

Nessa semana minha vida esteve uma loucura: o Nicholas teve cólicas durante vários dias e descobri que a minha empregada não vai aparecer mais aqui em casa para organizar e limpar as coisas. Coisas de mãe e dona de casa!

Aproveitei então os intervalos entre as mamadas e arrumei a casa, lavei roupas e cuidei da cozinha. Ao fim do dia estava exausta!

Ainda tive de passar a madrugada acordada porque o Nicholas estava com muita cólica. Fiquei fazendo massagens, colocando bolsa de água quente, virando ele de bruços e ninando o meu pequeno para que ele sofresse o mínimo possível.

Só depois de muitas manobras para que as cólicas passassem e eu já não tinha mais o que fazer, administrei novamente três gotinhas do antigases, indicado pela pediatra.

Hoje meu filho acordou melhor, mas eu estava pregada. Então coloquei-o na cama comigo e dormimos juntinhos a manhã inteira. Uma delícia curtir meu filhote desse jeito!

À tarde fui para a casa do meu pai, que segurou o Nick no colo pela primeira vez e adorou. Ele estava um avô muito orgulhoso e babão.

Entrando no ritmo

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 27 de Maio de 2012

O Nicholas começou com episódios de cólicas frequentes: essa semana ele sentiu bastante dor de barriga e teve muitos gases quase todos os dias.

Tentamos diversas manobras: mudá-lo de posição até encontrar uma em que ele ficasse mais confortável por alguns minutos, massagear a barriga (Shantala), segurá-lo no colo de bruços e colocar a bolsa de água quente.

Mas, em alguns dias, todas essas manobras não funcionaram e infelizmente tivemos de optar para um remédio antigases indicado pela pediatra, que disse que isso é comum do primeiro até o terceiro mês.

Aos poucos estamos voltando com a nossa vida social. Ainda temos de ir apenas a ambientes que conhecemos bem, como a casa de amigos e parentes, e locais abertos como parques e a área de lazer do prédio.

Ontem, por indicação da pediatra, ele começou a tomar sol: cinco minutos por dia e sempre antes das 9 horas da manhã ou após as 16 horas. No período da tarde fui à casa do meu pai para visitá-lo e à noite fomos à casa dos padrinhos do Nicholas.

Devagar e com todo o cuidado, estamos fazendo com que ele entre no nosso ritmo.

O Nicholas chegou!

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 16 de Abril de 2012

Hoje meu bebê completa uma semana. Estar ausente no blog nos últimos dias tem explicações – a primeira semana pós parto requer uma sensível adaptação.

O Nicholas esperou bem comportado durante a Páscoa e na segunda-feira (9/4) fomos ao Hospital São Luiz Itaim logo cedo. Fizemos o último exame de ultrassom para verificar seu peso e demos entrada na internação.

Como no exame detectou-se que o bebê estava com uma circular de cordão no pescoço, minha obstetra quis acompanhar de pertinho a indução. Fiquei recebendo medicação durante toda à tarde, mas não respondi como esperado. Não senti as contrações do parto, então partimos para a cesárea. A cirurgia foi bem tranquila e às 18 horas e sete minutos nasceu o Nicholas com 3.575 Kg e 50 cm.


No momento do parto, meu marido esteve ao meu lado o tempo todo e isso foi bastante gratificante. Familiares e amigos acompanharam a transmissão do parto via internet pelo site do Hospital São Luiz. Adorei essa possibilidade e todos que vieram me visitar nos dias seguintes comentaram que assistiram o parto e adoraram essa inovação.

Logo após o parto, a emoção de ouvir o chorinho do meu bebe é indescritível, assim como quando ele veio ao meu colo e de repente parou de chorar, como se me reconhecesse como mãe. Logo estava no quarto para me recuperar, podendo receber visitas. Por volta das 23 horas, o Nicholas chegou ao quarto para que tivéssemos um pouco mais de contato. Depois ele voltou ao berçário e quando acordou com fome veio novamente ao quarto para a primeira mamada.

A enfermeira mostrou como deveria ser dado o peito e me ajudou a fazer o bebe sugá-lo. Uma dorzinha significativa, mas uma recompensa maior ao ver aquele bebê tão frágil e tão pequeno com um rostinho tranquilo e sereno ao ser alimentado. Obrigada à equipe de enfermagem que me ensinaram a pegá-lo, dar banho, limpar o umbiguinho, amamentá-lo e colocá-lo para arrotar. São coisas simples, mas que para mamãe de primeira viagem como eu fizeram toda a diferença.

Tivemos alta na quinta feira (12/4) pela manhã. Logo contarei mais sobre os primeiros dias em casa.

Diário de mãe

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 5 de Abril de 2012

Hoje começamos uma nova sessão no Blog, Diário de Mãe. A mais nova mamãe do pedaço, Camila Guerrero, já está na fase final da gestação, e contará para a gente, periodicamente, a evolução do seu bebê, trocando experiências e dividindo as etapas iniciais de sua nova vida!

Acompanhe, inspire-se, divida conosco também suas experiências como mãe ou como mulher que deseja a maternidade.

A partir de agora o espaço é da Camila, engenheira de 32 anos, grávida de 38 semanas e que já espera a chegada do seu primeiro filho no início da próxima semana. Ela vai contar como chegou até aqui e como é ser mamãe de primeira viagem! Acompanhe!

Está chegando a hora!

Por Camila Guerrero

Bom, aqui estou eu. Não foi fácil chegar até aqui. Foram diversos tratamentos, algumas pedras no meio do caminho, mas venci! Aos poucos vou contar tudo para vocês nesta coluna.

Estou com 38 semanas de gestação, há duas em repouso, pois o neném está encaixado e já tenho uma dilatação de 3 cm. Até o momento ganhei 24 quilos (minha médica está desesperada comigo) e estou na maior expectativa para o nascimento do Nicholas! Sim, é um menino gente!

Desde a confirmação da gravidez passei por momentos de grande ansiedade, cada semana por um motivo: receber a confirmação, descobrir o sexo, ouvir seu coraçãozinho, o tamanho do pezinho etc. Tinham também todos os preparativos, decidir o nome, a decoração do quarto, compra dos moveis e enxoval. Nossa! Muita coisa para ser feita e o tempo parecia voar.

O que mais me confortou durante essa correria toda, e que considero a maior recompensa de todas, foi o fato de sentir os primeiros movimentos do bebê dento da barriga. No começo pareciam apenas borbulhas esporádicas que apenas eu conseguia sentir, mas com a evolução da gestação, os movimentos foram ficando mais intensos e perceptíveis ao toque. Agora nesta reta final basta olhar para a barriga para ver os movimentos bem fortes dele. Uma emoção indescritível.

Essa semana (38ª) eu e meu marido, agendamos o parto com a médica. Será na próxima segunda-feira (09/04/2012), no Hospital e Maternidade São Luiz do Itaim. Claro, isso se o Nicholas não decidir nos fazer uma surpresa e nascer durante o feriado da Páscoa. Confesso que a ansiedade desses últimos dias saiu de cena e deu lugar à insegurança. Insegurança essa que considero natural, pois é meu primeiro filho, não sei como cuidar de um bebê e quero ser uma mãe excelente, educar, dar amor, cuidar, estar sempre ao lado, ser amiga. Tantas coisas. Acredito que seja receio por ser tudo novo e o novo sempre assusta um pouco.

Apesar de todos esses sentimentos existe um que sempre me acompanhou, é o amor que sinto pelo meu filho desde que tive a confirmação de sua existência e a certeza absoluta que o amor irá tomar conta de tudo!

Aproveitarei este espaço para escrever sobre o nascimento e as experiências pioneiras minhas e dele.

Um beijo.

Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados