Blog da Saúde

Intolerância à lactose X Alergia à proteína do leite de vaca: entenda as diferenças

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 31 de maio de 2017

Na infância, assim como em outras etapas da vida, a o leite pode causar problemas ao organismo. Porém, a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV) é bem diferente da intolerância à lactose, assim como suas causas, tratamentos e sintomas.
A primeira é uma reação do sistema de defesa do organismo às proteínas do leite. A segunda, no entanto, acontece devido à dificuldade do organismo em digerir lactose, um açúcar do leite, pela ausência ou deficiência da enzima lactase no organismo. O termo “alergia à lactose” é incorreto.

Até um ano de idade, a alergia é muito mais prevalente. Adultos, por exemplo, raramente sofrem com este problema. A intolerância, por sua vez, embora possa acontecer com bebês, é mais comum em crianças maiores e adolescentes. Além disso, ela pode ocorrer e se manifestar em diferentes graus.

De acordo com o Dr. Thiago Gara, gastropediatra do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, esses dois problemas podem ser facilmente confundidos pela população. Por isso é importante consultar o especialista para um diagnóstico correto antes de tomar qualquer atitude em relação à dieta. “A grande maioria das alergias é transitória”, explica.

No caso da intolerância, os sintomas são apenas intestinais, como diarreia, cólicas, gases e distensão abdominal, que podem ocorrer em minutos ou horas após a ingestão do leite de vaca.

Na APLV, os sinais podem ser digestivos (vômitos, cólicas, diarreia, prisão de ventre, dor abdominal e refluxo), cutâneos e até respiratórios (dificuldade de respirar), além da anafilaxia, uma reação alérgica grave, que pode comprometer todo o organismo. Eles podem ocorrer em minutos, horas ou dias após a ingestão de leite de vaca ou derivados. “Mais ou menos 40% dos casos de refluxos criança estão relacionados à alergia”, complementa o médico.

É comum surgirem muitas dúvidas em relação à amamentação das crianças que sofrem com algum destes problemas. Como geralmente a intolerância se manifesta acima de um ano de idade, não costuma prejudicar a amamentação. E, apesar do leite materno ser rico em lactose, possui agentes facilitadores que auxiliam a digestão.

Quando a criança tem a APVL, é comum que a mãe faça uma dieta restritiva cortando o item da alimentação. Em alguns casos, o gastropediatra pode recomentar a ingestão de fórmulas especiais. Vale lembrar que leite materno deve ser sempre o principal alimento oferecido ao bebê até os seis meses.

O diagnóstico da intolerância pode ser feito de forma clínica ou com um teste de alta dose de lactose. Assim, o médico pode conferir se há absorção do nutriente e presença da enzima lactase. A alergia é confirmada pela associação do histórico clínico com os sintomas da ingestão do alimento, além de alguns testes que podem auxiliar.

Influenza e Bronquiolite: infectologista do Hospital São Luiz esclarece todas as dúvidas

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 25 de abril de 2017

Veja como funciona a prevenção, quem pode ser vacinado e quais os sintomas das doenças

Os termômetros mostram a chegada das temperaturas baixas, fazendo com que comecem a surgir as doenças de inverno. As respiratórias são as mais comuns nesta época do ano, com destaque para a bronquiolite, que acomete crianças de até dois anos, e a gripe, mais comum em toda a população. O Dr. Daniel Wagner, infectologista do Hospital São Luiz Jabaquara e do Hospital da Criança, ambos da Rede D’Or São Luiz, esclarece dúvidas sobre as doenças; como funciona a prevenção; quem pode ser vacinado; e quais os principais sintomas.

A bronquiolite, que afeta os pequenos, é caracterizada por uma obstrução inflamatória dos bronquíolos (pequenas vias aéreas). Geralmente é causada por uma infecção viral e afeta apenas crianças de até dois anos de idade. Assim como a bronquite, que é uma inflamação em outra área do pulmão, contudo, ambas são uma doença sazonal, ocorrendo principalmente nos meses de outono e inverno.

Já na população geral, é muito comum pessoas contraírem influenza. Mais conhecida como gripe, ela é uma infecção do sistema respiratório cuja principal complicação são as pneumonias, responsáveis por um grande número de internações hospitalares no país. A transmissão ocorre principalmente por meio do contato com partículas eliminadas por pessoas infectadas ou por mãos e objetos contaminados por secreções. Esta transmissão é muito elevada em ambiente domiciliar, creches, escolas e locais fechados.

A transmissão da bronquiolite acontece pelo VSR (Vírus Sincicial Respiratório), cujos sintomas se assemelham aos de uma gripe: coriza, espirros e congestão nasal. O especialista recomenda atenção dos pais nos bebês que, além dos sinais da gripe, apresentam chiado no peito e falta de ar. “Esse é o momento em que é necessário ir imediatamente para o pronto-socorro”, recomenda.

A prevenção da gripe é feita por meio da vacina, que pode ser tomada por crianças a partir dos seis meses de idade. O medicamento é feito por partículas virais, ou seja, com vírus inativado. Por isso, pode ser administrada, também, em pessoas com defesas imunológicas baixas (transplantados, portadores do HIV e pacientes com câncer).

Contudo, ela não pode ser tomada por quem que já teve reação alérgica grave em doses anteriores, bem como a qualquer componente da vacina como o ovo de galinha e seus derivados. A gripe, que normalmente é uma doença benigna, chamada pelos especialistas de síndrome gripal, com sintomas como febre alta, dor de cabeça, dores musculares, tosse, dor de garganta e cansaço, pode evoluir para uma forma grave com pneumonia com necessidade de internação hospitalar. Sem um cuidado especial, o paciente pode falecer.

No caso da bronquiolite, não há uma vacina específica para a doença, mas é recomendado pelos especialistas que os pais evitem levar seus filhos para locais com grande acúmulo de pessoas e contato com outras pessoas doentes, principalmente em ambientes fechados. É importante também lavar sempre as mãos, dos pais e dos pequenos e manter a carteira de vacinação em dia para que não haja infecção por outros vírus que possam complicar o quadro atual.

Hospital São Luiz Morumbi inaugura novo modelo de UTI Pediátrica

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 4 de abril de 2017

O Hospital São Luiz Morumbi inaugurou a UTI Pediátrica totalmente reformada. São 10 leitos individuais com banheiro privativo e decorados com temas infantis, onde um acompanhante pode ficar em tempo integral com seu filho.

Para proporcionar mais conforto e qualidade no atendimento, a UTI foi desenhada para aproximar a equipe multidisciplinar dos pacientes. Por isso, a cada dois quartos há um balcão e um terminal para utilização dos médicos e enfermeiros, o que possibilita registros e anotações momentâneos e aumenta o vínculo entre profissional e familiar.

A nova UTI tem postos de enfermagem com visão privilegiada de todos os pacientes, televisão nos corredores com vista externa, portas de acesso eletrônicas de segurança e uma sala especial com vestiário, guarda-volumes e ambiente para a realização das refeições para os acompanhantes.

“A proposta foi aperfeiçoar um serviço de excelência, com uma UTI pediátrica moderna, ambiente mais acolhedor e atendimento humanizado aliado ao que há de mais tecnológico na área”, destaca dr. Mauro Borghi, diretor do Hospital São Luiz Morumbi.

O modelo arquitetônico e a decoração foram pensados para oferecer um atendimento mais humanizado e um local acolhedor. Um dos diferenciais é o isolamento acústico dos quartos, que é extremamente importante em um ambiente como uma UTI infantil, já que as crianças choram muito, seja por medo ou dor, e que acaba assustando os outros pequenos que estão internados.

Cólicas podem ser confundidas com gases nos bebês

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 18 de janeiro de 2017

Especialista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim explica a diferença

É muito comum que os pais dos recém-nascidos confundam cólicas com excesso de gases. Isso acontece porque, durante a fase do aleitamento materno, as cólicas intestinais são muito comuns, principalmente dos 15 dias até os três meses de idade, e costumam ser acompanhadas da presença de gases.

No entanto, as cólicas não são ocasionadas por gases. Elas ocorrem, sobretudo, pela imaturidade do sistema digestivo. “Durante os primeiros meses de vida, a movimentação das paredes do intestino está ainda um pouco descoordenada. Somado a isso, o intestino, quando recebe alimento, precisa acelerar a velocidade destes movimentos, aumentando tanto a contração do intestino quanto a dor das cólicas”, explica a Dra. Milena Catani, pediatra e neonatologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim.

Os gases, na verdade, podem contribuir para uma piora das dores, porque contribuem para uma maior distensão das paredes do intestino, que ficam cheias de ar. Antes do início da introdução complementar de alimentos, a presença dos gases pode ser causada pela ingestão de ar ou pela fermentação do leite no intestino.

“Por vezes, também, o bebê pode não conseguir coordenar a respiração com a capacidade de engolir, em geral no início da mamada, e repete os movimentos de sugar muitas vezes, motivo também porque muitos bebês engasgam”, acrescenta a especialista. A dificuldade de respirar e engolir pode acontecer, ainda, se o bebê estiver com o nariz obstruído, pois não conseguirá respirar corretamente e irá precisar abrir a boca.

Para lidar com o problema das cólicas, massagens, como a shantala, costumam ajudar. Elas contribuem para relaxar os músculos dos bebês, diminuindo também o desconforto dos gases e ajudando a acalmar a criança. Outra orientação é colocar um pano aquecido ou uma bolsa de sementes aquecida na barriga do bebê, sempre tomando cuidado com a temperatura, para não queimar a pele sensível.

“Geralmente, oriento a fazer massagens antes de começar a mamada, no sentido horário, em movimento circular, ou mexer as pernas próximas à barriga, como se o bebê estivesse pedalando. Não recomendo as massagens imediatamente após a mamada, porque o bebê pode acabar regurgitando, colocando para fora o leite que não teve tempo de digerir”, diz a médica.

Na maioria dos bebês entre 15 dias e três meses de idade, as cólicas fazem parte do desenvolvimento normal e não é necessário dar remédios. “Em alguns poucos casos, se estiverem acompanhadas de outros sintomas como vômitos, diarreia, alterações no aspecto da pele, coceira e principalmente dificuldade no ganho de peso, podemos ter um diagnóstico de alergia alimentar. Neste caso é fundamental passar pela avaliação do pediatra”.

Hidratação das crianças requer cuidado dobrado nos dias quentes

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 30 de dezembro de 2016

Na última semana, algumas regiões do Brasil tiveram os dias mais quentes do ano. Este período pede atenção especial à hidratação, principalmente das crianças, pois a transpiração é responsável por uma grande perda de líquido. A água é fundamental para regular a temperatura corporal e é necessária para todo o organismo, por isso a boa hidratação faz com que todas as funções sejam desempenhadas de maneira adequada.

Alguns sinais revelam se as crianças estão bem hidratadas, como o volume e a cor da urina (que deve estar clara), língua e lábios úmidos e o choro com lágrimas, por exemplo. Quando a perda de líquido é maior que o ingerido, as mucosas ficam secas, o volume da urina é baixo, a criança fica irritada, sonolenta e o choro não apresenta lágrimas.

A quantidade de líquidos varia conforme a idade e o peso da criança. Por isso, segundo o Dr. Thiago Gara, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, não é possível estabelecer um volume exato, mas é importante avaliar a hidratação pelos fatores citados anteriormente. “Em geral, falamos de 100 ml por quilo de massa corporal por dia, em média”, diz o especialista.

Sucos naturais e água de coco também são opções para ajudar a manter a criança hidratada, além disso, alimentos com bastante água na composição, como a melancia e o melão, funcionam como auxiliares. Porém, a água deve ser sempre o elemento principal da hidratação. Os sucos de caixinha devem ser deixados de lado: eles contêm muito açúcar, corantes e conservantes, que podem levar à obesidade e casos de alergia.

Para que o consumo de líquidos vire um hábito, ele deve ser incentivado pelos pais desde cedo. No entanto, de acordo com o pediatra, o primeiro passo deve ser o exemplo. “Não adianta pedir para seu filho beber água enquanto o resto da família não o faz. Desde pequeno, é preciso estimular, oferecer e procurar não substituir a água por outra coisa frente à recusa inicial”.

Não se esqueça de manter sempre um recipiente de água com você, caso as crianças fiquem com sede fora de casa, e coloque uma garrafinha na mochila ou lancheira da escola para que seu filho se lembre de se hidratar com frequência.

Dicas sobre introdução de alimentos sólidos para as crianças

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 22 de novembro de 2016

Pediatra do Hospital São Luiz afirma que rejeição só deve ser considerada significativa depois de oferecer dez vezes

Antes dos seis meses, não é necessário oferecer para as crianças qualquer complemento alimentar ao leite materno, que é suficiente para suprir todas as necessidades nutricionais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo até esta idade e, de acordo com os especialistas, a amamentação deve ser mantida, se possível, até os dois anos.

A partir do sexto mês, portanto, é possível introduzir outras comidas, como sucos de fruta pela manhã e papinhas de fruta no período da tarde. “Esses alimentos são introduzidos no intervalo das mamadas e a quantidade deve ser aumentada gradativamente com o passar do tempo. Estes dois exemplos são preparatórios para a papa salgada, que se inicia algumas semanas depois disso” esclarece o Dr. Cid Pinheiro, pediatra do Hospital São Luiz Morumbi.

Baby food

Já a consistência dos alimentos tem de ser adequada conforme o nascimento da dentição da criança, para possibilitar que ela corte e esmague os sólidos, além de evitar engasgos e sufocamento. “A papa salgada é iniciada no almoço e, após uma boa aceitação, inicia-se também no jantar”, diz o pediatra.

Mas alguns tipos de alimentos devem ser evitados pelo máximo de tempo possível, como é o caso dos que contêm açúcar. “Os doces não são recomendados às crianças, já que podem levar à obesidade na infância e, posteriormente, trazer complicações tais quais diabetes e hipertensão arterial na fase adulta”.

Segundo o especialista, a refeição deve ser atrativa para as crianças, por isso é importante a variação de sabores, cores e formas no prato, tornando o momento mais prazeroso Além disso, os pequenos devem receber todo tipo de alimento independentemente da preferência da família.
Caso seu filho, a princípio, pareça não gostar de um ingrediente específico, não se preocupe: “Novos alimentos precisam ser introduzidos e os pais não devem considerar como um evento de grande importância quando a criança recusá-lo. A rejeição de uma determinada comida só será considerada significativa após a oferta de, pelo menos, dez vezes” ressalta o Dr. Cid.

De onde vêm as cólicas dos bebês?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 12 de janeiro de 2016

As indesejadas cólicas costumam ser um grande incômodo nos primeiros meses de vida de muitos bebês. A enfermeira e supervisora da UTI Neonatal do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, Talita Magalhães, explica quais são as possíveis causas dessas dores abdominais em recém-nascidos e o que as mães podem fazer para evita-las ainda durante a gestação:

Baby crying
Por que os bebês têm cólica?
O sistema digestivo dos bebês ainda é imaturo. Por isso, reações a algumas substâncias do leite materno ou artificial podem resultar em dores na região abdominal.

Qualquer bebê está suscetível a sentir cólicas?
Não se sabe ao certo porque alguns bebês são mais suscetíveis a sentir cólicas do que outros. A cólica acomete meninos e meninas, tanto amamentadas no peito como na mamadeira.

Os hábitos da mulher durante a gestação influenciam na intensidade de cólicas do bebê?
O consumo de alguns alimentos durante a gravidez, geralmente os que provocam gases, podem predispor o bebê a ter cólicas. Por isso, recomenda-se evitar leite chocolate, brócolis, couve-flor, repolho, feijão, cebola e comidas apimentadas. Estudos afirmam também que o consumo de tabaco na gravidez ou o próprio convívio com fumantes podem predispor o bebê ao problema, além de outros danos já conhecidos.

Quais sinais indicam que o bebê está com cólica?
Choro intenso, encolhimento das perninhas e eliminação de gases durante o choro são os sinais mais comuns de cólica.

Massagens ajudam a aliviar o desconforto do bebê?
Deitar a criança de barriga para cima e massagear suavemente a região abdominal com movimentos circulares em sentido horário costumam ser suficiente para resolver o problema. Aquecer a barriga do bebê durante a massagem também é eficaz. O uso de medicamentos é recomendado apenas com indicação do pediatra.

Confira quais são as doenças de inverno mais comuns na infância

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 3 de julho de 2015

A young girl is sick and having her temperature taken.

Gripe, resfriado, otite e dor de garganta. Essas são apenas algumas das patologias comuns nesta época do ano, principalmente entre as crianças – mais vulneráveis às chamadas doenças de inverno.

“As mudanças bruscas de temperatura somadas à baixa umidade e ao acúmulo de poluição favorecem a proliferação de vírus e bactérias responsáveis pelas doenças respiratórias. Por isso o número de casos de gripe, sinusite e bronquite é maior nesta estação”, diz Cid Pinheiro, pediatra do Hospital São Luiz Morumbi.

Segundo o especialista, as patologias de inverno que mais acometem as crianças são de origem viral e duram em média de três a cinco dias. “Importante lembrar que os quadros respiratórios são comuns na infância, mas quanto mais nova a criança, maiores devem ser os cuidados”, ressalta.

Outro fator que determina a incidência dessas doenças na infância é a faixa-etária. Quadros de faringite e laringite são mais comuns até os três anos enquanto os resfriados aparecem com mais frequência a partir dos dois anos.
Os sintomas variam de acordo com a doença e o tratamento costuma ser sintomático, como, por exemplo, o uso de medicamentos para resfriados e febres, aplicação de descongestionante nasal para limpar o nariz e inalação em caso de tosse seca e chiado no peito.

Alguns sinais exigem atenção especial. “Respiração rápida e ofegante e presença de movimentos rápidos (sobe e desce) na região abdominal e nas narinas podem ser sintomas de falta de ar. Em situações como essa é recomendável ir ao pronto-socorro”, explica o pediatra.

Veja quais são as doenças de inverno mais comuns na infância de acordo com a faixa-etária e seus principais sintomas:

blog - tabela doencas_3

Dicas de prevenção: hidratação, lavar as mãos com frequência, evitar mudanças bruscas de temperatura e realizar as vacinas corretamente são algumas das formas para prevenir as crianças das doenças respiratórias.

Conheça os efeitos colaterais mais comuns das vacinas para os bebês

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 9 de junho de 2015

1028452_61302173 - vacinação injeção

A imunização é a forma mais eficaz de prevenir doenças causadas por bactérias e vírus. Desde muito pequenas, as crianças devem ser vacinadas contra uma série de enfermidades.

Dra. Maria Inês Pinto Nantes, coordenadora do Pronto Socorro Infantil do Hospital da Criança, explica que para recém-nascidos, ou seja, menores de 30 dias, a vacina indicada é Hepatite B, que não tem efeitos colaterais.

Já no segundo mês, as vacinas preconizadas são: Difteria, Tétano, Coqueluche, Haemophilus, Poliomielite, Rotavírus e Pneumocócica. Diferentemente da Hepatite B, elas podem ter efeitos colaterais como febre, irritabilidade e dor. A médica esclarece que a vacina contra o rotavírus também pode apresentar vômitos e diarreias, além dos efeitos colaterais citados anteriormente.

“Em caso de diarreia, deve-se manter hidratação com oferta líquida abundante. Caso a criança tenha dor, costuma-se administrar Paracetamol ou Dipirona. Porém, não devemos medicar preventivamente. Os pais também não devem administrar nenhum medicamento sem orientação médica”, esclarece. A pediatra também ressalta que um médico também deve ser procurado se a criança apresentar vômitos que não cedam ou a presença de sangue nas fezes.

Para saber quais vacinas a criança deve tomar a partir do terceiro mês, acesse nosso site: http://scup.it/8xuf

#HospitalSaoLuiz

Crianças com sobrepeso possivelmente serão obesas no futuro

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 3 de junho de 2015

iStock_000013642338Small

Hoje é o Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil – um dos grandes problemas de saúde pública no mundo. Projeções da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que até 2025 o número de crianças com sobrepeso e obesidade pode chegar a 75 milhões caso nada seja feito.

“Crianças entre quatro e cinco anos com sobrepeso possivelmente caminharão para um quadro de obesidade. Por isso, toda atenção é de extrema importância”, diz Cid Pinheiro, pediatra do Hospital São Luiz Morumbi.

O excesso de peso adquirido na infância também pode evoluir para outros problemas de saúde na juventude e vida adulta. “As comorbidades associadas à obesidade (diabetes, pressão alta, infarto etc) aparecem mais tarde devido ao grande acúmulo de gordura e açúcares no organismo iniciado na infância”, explica o pediatra.

Adquirir hábitos saudáveis, incluindo uma alimentação balanceada e prática de atividade física, são os cuidados necessários para evitar a obesidade. O pediatra é um grande aliado dos pais e familiares, pois é ele que irá avaliar se a criança está ou não acima do peso e quais medidas deverão ser tomadas.

Dr. Cid recomenda evitar o consumo exagerado de carboidratos e açúcares, presentes também em sucos industrializados, bolachas, salgadinhos e doces. “É importante ler o rótulo dos alimentos para entender sua composição e priorizar o que deve ou não ser consumido”, diz.

#HospitalSaoLuiz #SaoLuizMorumbi #obesidade #obesidadeinfantil

Página 1 de 1112345...10...Última »
Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados