Blog da Saúde

Leite materno melhora a imunidade e o combate às doenças do bebê

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 2 de setembro de 2016

A amamentação materna exclusiva até o 6º mês de vida, além de beneficiar física e emocionalmente mãe e bebê, tem papel ainda mais importante e pouco citado: evitar a mortalidade neonatal (até o 28º dia de vida).

No Brasil, do total de mortes de crianças até um ano, 69% ocorrem no período neonatal e 52% na 1ª semana de vida. “Muitas mortes poderiam ser evitadas se as famílias conhecessem efetivamente os benefícios da amamentação, que vão muito além de ter uma vida mais saudável” explica Dra. Mariana Halla, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim.

De acordo com estudos publicados pela UNICEF, o aleitamento materno exclusivo pode evitar, anualmente, mais de 1,3 milhão de mortes de crianças menores de cinco anos nos países em desenvolvimento. Além disso, amamentar os bebês imediatamente após o nascimento, reduzir em 22% a mortalidade neonatal e drasticamente as mortes por infecção respiratória aguda e diarreia, duas causas importantes nessa fase da vida.

happy family newborn baby in  embrace mother in white

Segundo a Dra. Mariana Halla, as mortes após o nascimento representam quase metade dos óbitos de crianças com menos de cinco anos. Por isso, colocar o bebê na mama da mãe dentro da primeira hora após o nascimento pode diminuir significativamente a mortalidade neonatal, impactando na sobrevivência, saúde, nutrição e desenvolvimento da criança.

É sempre importante reforçar que o leite materno fornece todos os nutrientes, vitaminas e minerais que o bebê precisa para seu desenvolvimento durante os primeiros seis meses, e não sendo necessários outros líquidos ou qualquer tipo de alimento. Além disso, carrega anticorpos da mãe, contribuindo para o bom funcionamento imunológico, evitando diversas doenças e favorecendo a formação de uma flora intestinal (microbiota) saudável, importante na prevenção de doenças intestinais.

“O leite materno não auxilia somente na sobrevivência da criança, influencia também no desenvolvimento saudável do cérebro, e no desempenho cognitivo e sensorial. Além de reduzir o risco de doenças crônicas ao longo da vida, tais como obesidade, hipertensão arterial, colesterol alto e diabetes” destaca a especialista.

Já é comprovado que as crianças alimentadas com leite artificial têm cerca de 15% a mais de risco de desenvolver leucemias agudas, por exemplo. Com relação à obesidade infantil e adulta, não ter sido amamentado está ligado ao excesso de peso e consequentemente o desenvolvimento da diabetes tipo 2, relacionada ao aumento de peso (IMC).

O uso de leite de fórmula pode causar alguns problemas de saúde. Há um aumento de cerca de 40% a 65% das doenças gastroenterites agudas, 50% dos casos de otite e 73% de serem hospitalizados por infecções respiratórias baixas, pelo menos até o primeiro ano de vida do bebê. “Também tem se observado um aumento de 19 a 23% do risco de desenvolver diabetes tipo 1 nos bebês que nunca foram amamentados” informa Dra. Mariana Halla. Além do risco de contaminação do leite, regularmente há surtos de salmonela, que resultam em óbitos neonatais todos os anos.

Be Sociable, Share!

Deixe seu comentário

(*)campos obrigatórios.

Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados