Blog da Saúde

Alimentos que você deve comer

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 18 de abril de 2012

Uma alimentação saudável é a chave para uma vida mais saudável e tranquila, mas sabia que existem alimentos que potencializam algumas funções do organismo?

 Kiwi

Uma pesquisa feita pelo Hospital Universitário de Oslo, na Noruega, mostrou que o consumo de três unidades da fruta por dia ajuda a diminuir a pressão arterial. E essa vantagem parece estar nos seus altos níveis de luteína, uma substância antioxidante que, além de proteger os olhos, reduziria a inflamação nos vasos sanguíneos

 Rúcula 

Ela é altamente eficiente no combate a gastrite e úlceras. Mas atenção: você não deve picá-la. pois assim ela perde as suas propriedades mais rápidas

Aveia

A aveia foi catalogada como um dos primeiros alimentos funcionais da história, porque, além de dar energia ao organismo, fornece substâncias capazes de evitar doenças. o grande diferencial desse grão é ser carregado de uma fibra solúvel, a betaglucana, que reduz o colesterol ruim, auxilia a controlar a carga de açúcar no sangue e até diminuiria o risco de alguns tumores.

Romã

A fruta auxilia no controle da pressão e dos níveis de gordura no sangue, além de apresentar efeitos que ajudam no tratamento de insuficiência renal.

Melancia

Um trabalho da Universidade de Kentucky, nos estados Unidos, revela que a melancia presta um belo serviço à circulação sanguínea. Em um experimento com o seu suco administrado a cobaias, os especialistas perceberam que o preparo fez diminuir a massa gorda e a formação de placas nos vasos.

 Café

Bastante investigado nos últimos anos, ele vem demonstrando que defende o coração, afasta a depressão e, agora sim, lá vem notícia: até ajuda a impedir o surgimento de certos tumores. Procure sempre tomá-lo logo depois de pronto — e isso vale tanto para a bebida coada quanto para o expresso.

 Iogurte

Além da importância dos probióticos, bactérias benignas presentes em iogurtes e leites fermentados que ajudam na prevenção e no controle de males que vão de constipação a obesidade, ele pode ajudar na regulação do corpo e na manutenção do peso. “Isso precisa ser avaliado em seres humanos, mas já sabemos que os probióticos melhoram a nossa flora e a imunidade”, diz o nutrólogo Celso Cukier, do Hospital e Maternidade São Luiz, na capital paulista.

Fonte

Verdades e mentiras sobre o leite

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 9 de abril de 2012

O leite faz parte da dieta do brasileiro por trazer diversos nutrientes de que o corpo precisa em especial o cálcio. Porém, não são poucos os mitos que pairam sobre o seu consumo, tanto positivos como negativos.

Separamos algumas dúvidas mais comuns e respondemos o que é verdade ou não pra você:

A ingestão de leite causa pedras nos rins

Mito. Apesar da doença estar relacionado ao excesso de cálcio, sua redução na dieta alimentar não é a solução para evitar o problema. Na verdade, estudos e especialistas indicam que esse mineral – na medida certa – pode até ajudar na proteção dos rins. Em vez de banir o leite da alimentação, portanto, o ideal para prevenir complicações renais é beber bastante água, evitar álcool em excesso e reduzir o consumo de sal.

Tomar leite depois de praticar exercícios físicos é uma boa opção

Verdade. Um estudo realizado pela Universidade do Canadá constatou que mulheres que bebem dois copos grandes de leite por dia, após a sua rotina de musculação, ganham mais massa muscular e perdem mais gordura em comparação às mulheres que bebem energéticos.

O leite deveria ser evitado na alimentação

Mito. Há contradições, mas ainda prevalecem estudos e especialistas que afirmam que o leite só deve ser evitado em caso de alergias.

Leite causa acne

Mito. Um estudo publicado pela Universidade de Harvard, que indica que esses hormônios seriam semelhantes aos causadores de acne na pele humana. No entanto, ainda faltam mais pesquisas para comprovar essa relação.

Alergia à proteína do leite é diferente de alergia à lactose

Verdade. Alergia à proteína é uma resposta imunológica do corpo contra a proteína do leite, que pode ser de vaca, cabra, búfala etc.

Já alergia à lactose é a falta ou deficiência da produção de uma enzima chamada lactase, que serve para digerir a lactose – o açúcar natural do leite. Patrícia conta que, quando não absorvida, essa substância é fermentada por bactérias do intestino grosso, levando à diarreia.

Leite desnatado é somente leite integral com água adicionada

Mito. O leite desnatado apenas tem um teor reduzido de gordura saturada e colesterol. Não há acréscimo de água – garante a nutricionista Patrícia – e não há redução de nutrientes.

Fonte: Minha Vida

Indigestão – Como tratar?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 3 de abril de 2012


A dispepsia, mais conhecida como indigestão, é um conjunto de distúrbios gástricos que dificulta a digestão dos alimentos. “O processo de digestão é muito complexo e a falha em qualquer uma de suas etapas pode gerar alguma doença”, explica Celso Cukier, nutrólogo do Hospital e Maternidade São Luiz.

De acordo com o médico, o estômago é como um balão, que vai aumentando até determinado ponto. Um crescimento acima do normal pode causar algum tipo de dor ou desconforto, como dores abdominais, queimação no estômago, enjoo e sensação de um gosto amargo na boca.

Hábitos de consumo saudáveis ajudam, e muito, a facilitar a digestão: o consumo de frutas, legumes, grãos e cereais é altamente recomendado. “Alimentos na sua forma integral são mais fáceis de ser digeridos”, afirma o médico.

O especialista alerta para os danos de uma alimentação desregrada: “Uma dieta pobre em fibras e rica em carne vermelha pode desencadear um câncer no intestino. Já uma dieta rica em gordura saturada pode gerar uma série de doenças cardiovasculares”.

Alimentos indigestos

Refrigerante: a ingestão durante a refeição dilui o suco gástrico e modifica o PH local, comprometendo a atividade enzimática. Isso prejudica a absorção de vitaminas e minerais, além de contribuir para a má digestão das proteínas.

Ovo: assim como as carnes vermelhas e as frituras, ele é um alimento gorduroso com maior propensão a causar azias, retarda o esvaziamento do estômago e pode comprometer o processo digestivo.

Café: a cafeína estimula a acidez do estômago e não é recomendado para quem possui gastrite ou úlcera. Seu consumo exagerado pode provocar azia e vômitos, além de uma possível sensação de queimação.

Leite: algumas pessoas não conseguem digerir bem o leite e seus derivados, que podem ser substituídos por quinoa, aveia, amêndoas e soja, que são alimentos saudáveis e de fácil digestão.

 Fonte: Diário de S. Paulo

Refeições com jeito de mulher

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 8 de março de 2012

Cuidar do que vai à mesa de todos os colaboradores e pacientes do São Luiz é papel dessa colaboradora que é cheia de energia e amor pela vida. Nelly Aparecida Yoneyama é supervisora de nutrição do Hospital e Maternidade São Luiz desde 1991. A recuperação e o bem-estar dos pacientes também está nas mãos dela que com sua equipe busca com criatividade unir cor, sabor, aroma e saúde para oferecer uma refeição prazerosa e nutritiva para quem estiver no hospital. “O alimento é uma escolha, por isso trabalhamos para oferecer uma refeição de qualidade para que as pessoas sintam prazer em comer aqui”, reforça a nutricionista.

Para Nelly, ser mulher e exercer esse cargo no São Luiz é conseguir levar a sensibilidade e o jogo de cintura femininos para uma área que trabalha diretamente com pessoas de diferentes necessidades e perfis. “Amo intensamente o que eu faço. Tenho um respeito muito grande pela minha equipe e acredito no que fazemos”, conta.

A nutricionista acredita que a força da mulher pode mover montanhas e fala cheia de orgulho que se pudesse voltaria a esse mundo mulher novamente. “Só o poder de gerar um filho é um dom divino. Ser mulher é algo maravilhoso. Ainda temos muito que conquistar, mas estamos no caminho certo”, ressalta.

Veja abaixo a mensagem da colaboradora para o Dia Internacional da Mulher:

 

Índice glicêmico é usado também para emagrecer

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 6 de fevereiro de 2012

O segundo mês do ano já está aí e pelo que tudo indica, passará voando. Então, se a sua promessa de ano novo foi emagrecer, é hora de correr! Mas fique atento: entrar de cabeça nos exercícios físicos não adianta se você não pensar no que está comendo.

Avaliar o índice glicêmico dos alimentos é um ótimo auxílio para quem busca emagrecer com saúde.

Essa medição nada mais é do que o potencial que o carboidrato disponível no alimento tem em aumentar a glicose sanguínea. O valor é calculado com base em um alimento-controle (normalmente o pão branco ou a glicose) e feito através da analise da curva glicêmica produzida por 50g de carboidrato (disponível) em um alimento em relação à curva produzida por 50g de carboidrato do alimento-controle.

Nossa nutricionista, Dra. Mirian Nogueira Martinez, explica que, atualmente, utiliza-se o pão branco como alimento-controle por ter resposta fisiológica melhor do que a da glicose. “Os alimentos com maior índice glicêmico possuem maior similaridade ao alimento-controle, ou seja, aumentam com mais rapidez a glicose sanguínea”, diz.

Esse índice ajuda as pessoas a selecionarem melhor o que consomem. Os alimentos que apresentam IG 95 são considerados de alto índice glicêmico. Caso o alimento padrão seja a glicose, considera-se alto o produto com IG maior que 70, médio o IG entre 56 e 69 e baixo o IG menor do que 55.

“Os alimentos com maior índice glicêmico normalmente são os mais doces, com maior concentração de farinhas, como pães, bolos e biscoitos”, enumera a nutricionista. E ressalta: “O índice não foi criado com o objetivo de controle de peso e sim para servir de apoio aos pacientes diabéticos. Claro que se optarmos por alimentos com mais fibras, menor concentração de farinhas e com menos açúcar teremos aí uma dieta que vai auxiliar no controle do peso”, diz Dra. Mirian.

Para ajudar a manter uma dieta equilibrada e com menor IG, a nutricionista dá a dica: “Siga as velhas recomendações para alimentação saudável: divida seu prato em partes, sendo metade destinado às saladas (preferencialmente cruas) e na outra metade separe 25% para cereais, se possível, integrais (arroz, linhaça, grãos) e nos outros 25% inclua as carnes (cortes magros e cozidos ou grelhados).”

Alguns fatores interferem na resposta glicêmica dos alimentos com baixo IG, como a procedência, tipo de cultivo, forma de processamento e cocção, consistência e teor de fibras.

E há outras barreiras: “As tabelas trazem alimentos que não são típicos do Brasil, uma vez que dispomos de bases internacionais. Além disso, muitos alimentos com baixo IG podem ter em sua composição altas concentrações de gorduras”, comenta Dra. Mírian. “Por isso, é importante a orientação nutricional de um profissional, no sentido de esclarecer a viabilidade e vantagens na escolha de alimentos com baixo IG”.

Alimentos funcionais ajudam o intestino a trabalhar melhor?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 3 de fevereiro de 2012

Intestino preguiçoso é um problema que atinge 15% da população mundial e 20% da população ocidental, sendo quatro vezes maior nas mulheres do que nos homens, segundo dados do professor titular de Gastroenterologia e Cirurgia Digestiva da PUC Campinas, Flávio Antonio Quilici.

Atualmente, muitos produtos do mercado prometem melhorar ou resolver este problema por meio dos alimentos funcionais, em sua maioria iogurtes e leites fermentados. Mas, será que eles funcionam?

Iogurtes e leites fermentados têm em sua composição os lactobacilos, probióticos que melhoram a função do intestino e, consequentemente, de todo o organismo, explica Andrea Bottoni, coordenador da equipe de nutrologia do Hospital e maternidade São Luiz – Anália Franco.

O especialista explica ainda que o que influencia na ação destes micro-organismos no corpo é a quantidade deles no produto e a resistência ao pH do estômago. “Alguns não conseguem resistir ao pH ácido do sistema gastrointestinal, e mesmo que sejam ingeridos, não chegarão vivos ao intestino delgado. Alguns outros como o casei Shitrota e a bifidobactéria DanRegularis (outro tipo de probiótico) conseguem chegar vivos e ajudar no fluxo intestinal”, diz o médico.

Outros cuidados

É importante ressaltar que, mesmo com essa ajudinha dos lactobacilos, eles não fazem todo o trabalho sozinho. Uma pessoa com alimentação gordurosa e desbalanceada pode não ter tantos benefícios trazidos pelos probióticos quanto outra que se alimenta de forma correta e pratica exercícios físicos.

Segundo Andrea, existem lactobacilos em outras formas além dos alimentos funcionais, como por exemplo, em cápsulas, mas seu uso deve ser feito com recomendação de especialistas. “É muito mais proveitoso para o nosso corpo ingerir lactobacilos no iogurte ou leite fermentado porque eles também têm proteínas, cálcio, ferro e outros nutrientes”, ensina Bottoni.

 Consequências do intestino preguiçoso

Quem tem o intestino preguiçoso está mais vulnerável a ter espinhas, cólicas, mau humor e até aquela sensação de barriga inchada. Tudo por causa da prisão de ventre.

Alguns pequenos cuidados podem melhorar o dia-a-dia de quem sofre desse mal. Veja:

• Beber muita água: auxilia a circulação do sangue, diminui a retenção de líquido e, consequentemente, o inchaço.

• Não use laxantes: o uso desses medicamentos deve ser feito após recomendações médicas e não como estimulante para ir ao banheiro todos os dias.

• Vá ao banheiro sempre que tiver vontade: o hábito resgata o reflexo natural do corpo e, principalmente, é normal. Todo mundo vai!

• Exercícios físicos: mantém o corpo no ritmo e em forma, queima calorias e faz bem para o funcionamento do organismo.

Fonte: http://www.band.com.br

 

Na volta às aulas, monte uma lancheira saudável e gostosa com seu filho

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 30 de janeiro de 2012

Para algumas mães o ano só começa com a volta às aulas. Os preparativos para o ano letivo e a tarefa de dar conta de tudo fazem parte da vida das mulheres que trabalham e ainda tem a responsabilidade com a casa e os filhos.

A alimentação dos pequenos é sempre uma prioridade. Entre materiais escolares e outras pendências, a preparação da lancheira não precisa ser improvisada por conta da falta de tempo e ideias. Para ajudar as mamães, nossa nutricionista, Dra. Adriana Mesquita, dá algumas dicas para você se programar e não se perder na educação alimentar da criança.

O primeiro passo é escolher a lancheira correta. O material deve ser resistente e lavável, e a higienização deve ser feita com álcool assim que chegar da escola, não dispensando a lavagem com água e sabão, no mínimo, uma vez por semana. “Importante orientar as crianças para evitar o contato da lancheira direto com o chão e higienizar as mãos antes do consumo dos alimentos”, lembra a nutricionista.

Com relação ao armazenamento dos alimentos, na dificuldade da compra de lancheiras térmicas, utilize recipientes térmicos internos. Os lanches, por exemplo, devem ser embrulhados em papel-filme e depois colocados em potes de plástico. Aos que necessitam de refrigeração, como sucos ou leite, são imprescindíveis os recipientes térmicos.

Conversar com os filhos sobre suas preferências pode ajudar muito, até mesmo na economia de tempo e dinheiro. Reservem um momento para montar um cardápio quinzenal juntos. Assim você se programa e ainda pode negociar alguns itens para estimular o apetite, cuidado que também evita pecar nos excessos de alimentos industrializados, doces e refrigerantes. “Combine com a criança como farão parte do cardápio. Doces e frituras não são proibidos desde que consumidos com equilíbrio”, orienta Dra. Adriana.

Não se esqueça de dosar as quantidades. O lanche deve conter cerca de 300 calorias para as crianças com peso adequado. Procure colocar uma fonte de carboidratos (pães, biscoitos, barrinhas de cereais), uma de proteína (leite e derivados, frios) e outra de vitaminas e minerais (frutas e suco de frutas).

“O último e importante passo é verificar a quantidade consumida e a preferência deles ao chegar da escola, fazendo dessa tarefa uma atividade prazerosa e saudável”, conta a especialista.

Algumas dúvidas comuns como a bebida ideal, que tipo de fruta escolher e quais os recheios ideais para os lanches foram esclarecidas pela nutricionista no quadro abaixo:

Para montar um cardápio

Bebidas: Os sucos podem ser naturais, desde que colocados em garrafas térmicas, ou de caixinha, do tipo néctar. Achocolatados prontos e água de coco são ótimas variações.

Frutas: Boas opções são aquelas que podem ser cortadas em pedaços e não escurecem como mamão e melancia. Uma salada de frutas bem colorida também pode estimular a criança. Lembre-se de enviar um talher.

Pães: Alternar o tipo de pão pode evitar que seu filho enjoe dos lanches preparados e corra para a cantina da escola. Ofereça pão de forma comum ou integral, pão sírio, bisnaga, pão de leite, torradas e bolos simples, feitos em casa.

Recheio: Margarina, requeijão, queijos branco ou mussarela, geleia, peito de peru e presunto magro. Não se esqueça que frios são muito perecíveis, compre pequenas quantidades e verifique as datas de validade após abertos.

Fonte

Paciente que fazem quimioterapia precisam ficar atentos à alimentação

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 13 de janeiro de 2012

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, INCA, no Brasil, 66,3% dos pacientes com câncer estão com o peso abaixo do ideal devido ao tratamento quimioterápico. Pessoas  diagnosticadas com câncer apresentam quase três vezes mais quadro de desnutrição do que aquelas que sofrem de doenças como a tuberculose e o HIV.

Segundo nosso nutrólogo, Dr. Celso Cukier, além do comprometimento do estado nutricional causado pelo tumor, o tipo de tratamento também influenciará em seu estado de saúde.

“Qualquer paciente tende a ficar fraco durante o tratamento oncológico, por isso um especialista precisa formular uma alimentação balanceada e que seja aliada a este tratamento”, afirma o especialista.

No momento do diagnóstico, aproximadamente 80% dos pacientes perdem peso substancialmente.  A ocorrência e a severidade da desnutrição são maiores em portadores de tumores gastrointestinais e pulmonares.

Isso acontece porque as doenças ligadas à respiração e à digestão os deixam mais sensíveis aos alimentos que ingerem e causam alteração do paladar e dificuldade em sentir sabores, além de sensibilidade ou de insensibilidade ao doce e de intolerância ao amargo.

É comum que com o tratamento quimioterápico o paciente tenha uma diminuição no apetite, por outro lado, ele apresenta um aumento de suas necessidades de energia e de ingestão proteínas em virtude da doença.

A somatória destes fatores pode contribuir com a desnutrição. Com a dificuldade na alimentação e a falta de alguns nutrientes, ele começa a perder peso, por isso o tratamento nutricional deve ser simultâneo ao do câncer, segundo o nutrólogo.

Quando existe um desequilíbrio entre as necessidades do organismo e a ingestão de nutrientes, o indivíduo pode entrar neste estado de desnutrição. Um de seus sinais mais simples é a perda de peso.

Outros que podem ser citados são desânimo, cansaço, mal-estar, unhas quebradiças e pele ressecada. Mesmo as pessoas com um histórico saudável antes de ter o câncer podem ficar desnutridas após o diagnóstico, pois a doença afeta o metabolismo.

Se não houver o acompanhamento nutricional, o tratamento de câncer, apesar de combater o tumor, pode ter um impacto negativo sobre o organismo. Os pacientes diagnosticados com câncer podem se alimentar com que mais gostam, de forma balanceada e moderada, para que a perda de peso não aconteça.

Dicas de alimentação no tratamento do paciente com câncer:

  • Faça uma dieta fracionada, comendo pequenas quantidades e frequentemente.
  • Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, pois podem causar refluxo.
  • Evite comer em locais abafados, quentes ou que tenham cheiros vindos da cozinha que podem causar náuseas.
  • Não tente ingerir seus alimentos preferidos quando sentir náuseas. Isso pode criar repugnância permanente por esses alimentos.
  • Descanse após refeições, pois a atividade pode retardar a digestão. É melhor descansar sentado durante cerca de uma hora após as refeições.
  • Se a náusea costuma aparecer durante o tratamento, evite comer uma ou duas horas antes da quimioterapia ou da radioterapia.
  • Tente descobrir quando a náusea ocorre e qual sua causa (determinados alimentos, situações, ambientes).
  • Introduza mudanças no seu plano alimentar. Fale com seu médico e/ou nutricionista.

Fonte: gruporosaeamor.org.br

 

 

Calorias e problemas gastrointestinais: quem quer?

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 6 de janeiro de 2012

Está se preparando para ir para a praia? Sol, mar, caminhadas e FOME! E para todo lugar que você olha tem um monte de barraquinhas e vendedores circulando pela areia e oferecendo delícias e mais delícias.

Mas se você quer evitar a intoxicação alimentar e as bombas calóricas, tome cuidado! As guloseimas de praia são cheias de calorias e uma escolha errada pode acarretar e bons quilinhos a mais e problemas gastrointestinais.

O amendoim, por exemplo, parece inofensivo, mas uma xícara dele tem em média 500 kcal. O mesmo cuidado você deve ter quando comer pastéis, hot dogs e comidas típicas, como acarajé. Dependendo dos ingredientes, a calorias chegam às alturas!

Outro vilão é o sorvete. Quer se refrescar? Então deixe de lado os de massa e opte pelos de frutas, ok?

No caso de líquidos: “Ao contrário dos refrigerantes e bebidas alcoólicas, que devem ser ingeridos com moderação, a água deve ser o líquido principal. Sucos naturais e água de coco também são ótimas opções para refrescar e hidratar o corpo. A água de coco é rica em vitaminas e sais minerais e considerada um isotônico natural que pode ser consumido por crianças e adultos”, informa nosso nutrólogo Dr. Celso Cukier.

Caso você queira levar um sanduíche natural, em caso de lugares isolados que não possuem lanchonetes ou restaurantes, o ideal são aqueles com folhas verdes, tomate, cenoura, peito de peru, queijo branco, frango e atum.

“Prefira fazer os sanduíches em casa, assim, há a certeza da procedência e da qualidade dos alimentos. Se não for possível, fique atento ao tipo de armazenagem, refrigeração, higiene do local, visual, cheiro e sabor do sanduíche”, alerta Dr. Celso.

 

 

Desintoxicando

» -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

postado em 5 de janeiro de 2012

Você combinou muita comida gordurosa com bebida alcoólica?Exagerou mesmo? Então é hora de se desintoxicar!

Como primeiro passo, os nutricionistas indicam atenção especial ao fígado. Os excessos podem causar lesões como esteatose (gordura no fígado), hepatite (inflamação) ou a cirrose (dano permanente no fígado).

Para desintoxicar o organismo, invista nos alimentos diuréticos, nos cheios de fibras e nas proteínas magras, que limpam, melhoram o funcionamento do intestino e têm rápida digestão, respectivamente.

O que vale incluir na alimentação?

Além disso, tome pelo menos 2 litros de água por dia. Somando com o líquido dos alimentos, essa quantidade pode chegar a 3 litros.

Pra ter uma boa digestão, esqueça dos sais de fruta. O uso do medicamento somente alivia a sensação de estômago cheio, mas não funciona como tratamento. Para evitar este desconforto, o ideal é ter uma boa alimentação.

“O primeiro passo é sentar tranquilamente na hora da refeição. O segundo é escolher bem: saladas e sopas servem de entrada, já que têm um grande poder de saciedade e diminui os excessos na hora do prato quente”, diz nossa nutricionista, Dra. Maria Elisa Yaemi.

A especialista informa que o prato quente deve vir por último e você deve mastigas bastante todos os alimentos e comer de maneira moderada para não sair da mesa com a sensação de que comeu demais.

Aproveite essas dicas e comece 2012 se alimentando bem melhor!

 

Página 4 de 6« Primeira...23456
Produzido por Connexion Net

(c) 2010 - Blog da Saúde - Todos os direitos reservados